Emoções

Valor das emoções

As emoções concedem coerência à nossa existência.

Na medida em que processam, rápida e automaticamente, situações de vida em ordem a ações adequadas às nossas necessidades básicas (Greenberg, 2015).

Assim se entende que as emoções sejam fontes de informação essenciais para o nosso bem-estar.

Este acontece:

  • ao nível explícito, consciente, racional;
  • e ao nível tácito, inconsciente, emocional.

O modo de conhecer tácito é a base do modo explícito de perceber enquanto espaço da compreensão mais profundo e, por isso, é o lugar da mudança genuína.

Antes de termos aprendido a perceber racionalmente, já éramos tacitamente aprendizes de emoções. Daí o papel modelador das emoções na formação da identidade pessoal e no desenvolvimento dos relacionamentos.

As emoções

Expressam-se de um modo dinâmico:

  • um leque de emoções, enquanto ‘estruturas’ internas de memórias emocionais, é ativado rápida e automaticamente por pistas relevantes (inputs que produzem como outputs experiências e ações) (Greenberg, 2015);
  • e, contemporaneamente, um processamento cognitivo automático ocorre, num ‘caminho’ separado e mais lento, gerando avaliações conscientes e dando origem à emoção consciente, ao interesse, ao desejo, à tendência para a ação e ao pensamento (Greenberg & Pascual-Leone, 1995).

Nesta dinâmica integral e coerente se compreende o valor da experiência, da unicidade, da responsabilidade, da auto-determinação de cada ser e da sua vocação constante para o desenvolvimento.

psicoterapia

As nossas respostas emocionais

São assim um processo dialógico de construção de significado composto pela:

  • capacidade inata para se sentir;
  • reflexão sobre essa expressão inata,
  • interligação destas realidades;
  • conexão dessas com o ambiente, onde se incluem dados culturais, aprendizagens e experiências.

Ao prestar-se atenção a este processo acontece a experiência emocional consciente, que, sendo simbolizada por palavras, cria a compreensão, forma crenças, traduz compreensão do que somos, desperta narrativas e foca a atenção.

Este processo global forma uma história contada e permite, em cada momento, uma síntese tácita, dialética e significativa de um conjunto de esquemas emocionais numa de muitas organizações do que somos.

É esta organização que fornece «este sentimento do que acontece» (Greenberg, 2015).

Assim, a situação emocional ótima integra coerentemente as suas diferentes dimensões (Goldman & Greenberg, 2015).

O processo terapêutico

Acontece a partir de duas principais dinâmicas:

  1. a relacional: vínculo terapêutico empático e colaborativo, total abertura e colaboração;
  2. a operativa experiencial: facilitação dos objetivos e tarefas terapêuticas (Elliot et al., 2004).

Olham-se os estados problemáticos como marcadores que apontam para o tipo de intervenção que melhor promove o trabalho terapêutico sobre esses estados (Greenberg, 2015).

Terapia focada nas emoções 1

Terapia focada nas emoções

Promove um acesso melhorado «ao mundo» do cliente através da articulação de emoções e necessidades primárias, da aceitação e transformação de emoções não resolvidas e dolorosas, da explicitação de significados implícitos.

Entre as principais tarefas facilitadoras desse processo destacam-se:

  • a tomada de consciência;
  • a expressão: ultrapassar evitamento da experiência e exprimir emoções reprimidas;
  • a regulação: promover o contexto seguro, tolerar o sofrimento, identificar e evitar gatilhos, criar distância de trabalho;
  • a reflexão: dar sentido narrativo à experiência e promover assimilação de narrativas;
  • a transformação por outras emoções adaptativas;
  • a experiência emocional corretiva (Greenberg, 2015).

Importa incluir todo o sistema emocional nas suas diversas dimensões, sendo que a mudança genuína ocorre através da síntese de dois ou mais elementos de ordem superior (Piaget, Inhelder, & Szeminska, 1960).

Por exemplo, uma memória de medo e fuga, oriunda de uma situação de abuso, pode ser sintetizada recorrendo à ativação da emoção raiva protetora contra a violação e a ofensa, motivando assim a confiança ao invés da desconfiança e da fuga (Greenberg, 2002).

A essência da terapia

As necessidades centrais adaptativas de vinculação e de identidade (estar ligado aos outros e de ser validado) incorporadas em reações emocionais desadaptavas, 

quando são mobilizadas e validadas, funcionam como porta de acesso a emoções mais adaptativas e não aceitam mensagens cujo o conteúdo seja o não ser digno de amor, de respeito e de comunhão.

Deste modo, tudo se consegue na medida em que se acede a uma nova experiência de si, se cria um novo significado e se gera um novo sentido do si (Greenberg, 2015).

O terapeuta é um facilitador no acesso às emoções através da promoção da sintonização no afeto, da consideração das sensações corporais, da recordação de episódios anteriores, do foco na experiência, da regulação emocional e da facilitação de novas experiências emocionais.

Terapia  

About the Author

Bernardo Corrêa d'Almeida

Bernardo Corrêa d'Almeida

O meu nome é Bernardo Corrêa d’Almeida e sou Psicólogo. Tenho uma grande paixão pelo que faço e isso traduz-se em presença, cuidado, dedicação e amor às pessoas que me consultam. Terei o maior gosto em trabalhar consigo.
Profissionalmente: Psicólogo Clínico, Professor, Investigador e Escritor. Membro Efectivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses com a Cédula Profissional nº 24538. Membro da Sociedade Portuguesa de Terapia Focada nas Emoções. Psicólogo Clínico na Santa Casa da Misericórdia do Porto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *